Eu concordo com Termos & Condições E eu li
    E concordo Política de Privacidade.

    Contacte-nos

    Para dúvidas, sugestões, solicitações, por favor preencha o formulário e em breve atenderemos a sua questão.

    Telefone:
    258 823 263

    Enviar email:
    geral@icvc.pt

    Conhece o Amor. Ama o Conhecimento.

    5 dias ago · · Comentários fechados em Conhece o Amor. Ama o Conhecimento.

    Conhece o Amor. Ama o Conhecimento.

    Entrevista ao P. Pablo Lima e P. Vítor Rocha nos 30 anos da criação do Instituto Católico

    Que balanço faz neste últimos 30 anos?

    Creio que o balanço é muito positivo. Conseguimos, graças a Deus, retomar a formação teológica, que estava suspensa; conseguimos renovar as instalações (com obras que estavam por concluir desde a inauguração, designadamente alguns problemas estruturais); revitalizar, de igual forma, o funcionamento da livraria diocesana; e reforçar, também, a equipa do Departamento do Património, que tem feito um trabalho extraordinário, embora silencioso, com as visitas e pareceres de grande rigor histórico e técnico sobre os projectos de restauro das paróquias. Portanto, o balanço é muito positivo, apesar das dificuldades: a livraria tinha e ainda está a resolver uma dívida acumulada desde há vinte anos que chegou a somar 250 mil euros, que tem sido uma das questões mais desgastantes. Tentámos tornar a gestão da livraria eficiente, cumprir as obrigações que tem e servir, ao mesmo tempo, as pessoas, tarefa que, como disse, tem desgastado muito em termos de tempo e de energias e, talvez, tenha atrasado o desenvolvimento de outras áreas. Mas, mesmo assim, o balanço é muito positivo e de gratidão.

    Tomada de posse no segundo mandato da Presidência a 25-07-2020

    Qual o papel que o Instituto católico de Viana do Castelo (ICVC) desempenha na Diocese?

    O Instituto tem um papel essencialmente formativo. Tem ainda uma função congregadora porque serve todas as paróquias, grupos e movimentos de sensibilidades e espiritualidade diferentes, numa lógica de crescimento no conhecimento e vivência da fé.
    Tem, também, o rosto voltado para a cidade através da Livraria. Ela é uma porta aberta e um primeiro contato para muitas pessoas que nem frequentam a Igreja, mas que encontram nela uma palavra e uma mensagem com conteúdo cristão, uma proposta de beleza através dos artigos ou dos títulos. Portanto, o lugar do Instituto na Diocese é muito relevante também para o diálogo com aqueles que se encontram na margem da vida da fé ou até completamente afastados.
    Temos pessoas que entram na Livraria atraídas pelo nome de “Livraria Católica”, que ficam surpreendidas com o tipo de literatura que encontram. Várias pessoas vieram frequentar a Iniciação bíblico-teológica precisamente por causa de algum livro que lhes chamou a atenção.
    Lamentavelmente, persiste uma visão ainda muito superficial e infantil da fé e do cristianismo, mesmo entre pessoas com formação acadêmica superior. Muitos ignoram que a Teologia é uma ciência viva e atual, e que existe um centro de formação e reflexão teológica muito perto deles.

    Convívio com alguns alunos da Escola de Teologia a 01-09-2020

    Lamentavelmente, persiste uma visão ainda muito superficial e infantil da fé e do cristianismo, mesmo entre pessoas com formação acadêmica superior. Muitos ignoram que a Teologia é uma ciência viva e atual, e que existe um centro de formação e reflexão teológica muito perto deles.

    De que forma nasceu a Escola Superior de Teologia?

    A Escola Superior de Teologia e Ciências Humanas surge na fundação como o departamento central do Instituto. Ela constitui o âmago do Instituto. A Escola já funcionou de formas muito diversas: chegou a ser um pólo da Universidade Católica e nela foi feita um curso de licenciatura em Ciências religiosas, sob a direcção do P. José da Silva Lima; providenciou o curso teológico -pastoral simultaneamente em Viana, Ponte de Lima e Monção; neste momento, através do website www.icvc.pt tem inscritos de várias dioceses do país e já recebemos pedidos de inscrição do estrangeiro.

    Qual a importância desta Escola?

    A Escola é essencial para que as pessoas possam viver a fé de forma adulta e possam transmiti-la da melhor forma. Ela é incontornável para a formação dos agentes pastorais. Uma das tristezas do tempo presente é uma falta de consciência da necessidade da formação. Notámos que, neste momento, vários dirigentes dos movimentos, dos grupos de apostolado, dos agentes paroquiais não têm uma formação sistemática.
    Há poucos anos, era relativamente normal que todo agente pastoral com responsabilidades, na catequese, na liturgia, ou nalgum movimento, após a formação inicial da sua área, continuasse uma formação mais sustentada aqui na Escola de Teologia. É cada vez mais urgente, até pela falta do clero e pelas exigências da vida da fé, que se recupere esta consciência. Não bastam cursos ou cursinhos pontuais, conferências ou palestras avulsas uma vez por ano, não bastam os artigos lidos numa revista, não bastam os recursos da internet. É necessário ter uma formação consistente, séria, uma visão da fé e dos conteúdos da mesma que seja madura, bem desenvolvida, que possa enfrentar os desafios e as provocações do tempo que vivemos.

    Acha que essa falta de formação também pode provocar algum afastamento da Igreja?

    Sem dúvida. Cada vez mais, vivemos num tempo em que as pessoas sabem fazer perguntas inteligentes. O problema é que, às vezes, os cristãos não sabem dar respostas inteligentes. É surpreendente, por exemplo, que uma grande parte dos catequistas, ainda hoje, pensem e continuem a fazer passar a ideia de que a fé e a ciência vivem em conflito, que é impossível conciliar a fé em Deus criador do universo com a teoria da evolução. Os jovens convencem-se na escola que aquilo que lhes ensinam na catequese são lendas piedosas, porque é dessa forma que aprendem nas paróquias. Há um número relevante de cristãos que são incapazes de estruturar uma resposta minimamente coerente a uma pergunta difícil. E esses cristãos ocupam lugares de responsabilidade nas comunidades.
    Há poucas semanas surgiu uma polêmica na RTP, a propósito da linguagem de submissão que São Paulo utiliza na carta aos Efésios. Houve muitos comentários, e alguns deles de grande qualidade, mas a generalidade dos cristãos, mesmo aqueles praticantes e comprometidos, são incapazes de explicar um texto tão simples como aquele a alguém que não tem fé. A questão é esta: se não conseguimos explicar a fé a um não crente, qual é, de fato, a nossa capacidade, como diz São Pedro, de dar razões da nossa esperança? Se não consigo traduzir numa linguagem actual os conteúdos da fé, significa que não os conheço bem ou não os digeri, ou, então, vivo no passado.
    Por todos estes motivos, a Escola ocupa um lugar central e urgente. Consideremos por um momento as grandes questões da ética e da moral hoje em dia: a eutanásia, o aborto, a sexualidade, a identidade da família contemporânea, o drama ecológico, etc. Muitas vezes apenas reflectimos sobre estes problemas quando estão a ser discutidos no parlamento… Mas estas são as questões que as pessoas vivem no dia-a-dia: sem formação, que capacidade temos de fazer uma proposta que não seja superficial, desencarnada, ou, mesmo errada? A Escola de Teologia serve para colmatar essas lacunas porque todos vivemos em processo de aprendizagem. Quem deixou de aprender, deixou de viver. Por isso, procuramos que o nosso lema no ICVC seja “conhece o amor; ama o conhecimento”.

    Apesar dessa falta de formação há pessoas que ainda os cursos os cursos da escola de Teologia?

    Nós temos uma média de participantes entre os 15 e 20 em cada curso. Alguns cursos ou disciplinas atraem mais pessoas. Por exemplo, o curso de História e Teologia das Religiões, teve 32 ou 33 inscritos, mas não é habitual.
    O que é curioso, de fato, é que, neste momento, metade dos participantes são provenientes das paróquias e a outra metade inscrevem-se por iniciativa pessoal, porque tomaram conhecimento através dos jornais, ou da internet, ou de outras pessoas, e quiseram procurar formação para conhecer melhor a fé. Nalguns casos, são pessoas que estão num caminho de redescoberta da vida cristã. Neste momento, dois participantes estão a frequentar porque sentiram a necessidade de uma reaproximação à fé e não encontraram uma alternativa nas paróquias de origem.
    É neste sentido que consideramos que a criação da capela e de uma vida litúrgica dentro do próprio Instituto pode servir a um grupo de pessoas que não se revêem no ambiente paroquial, porque é muito voltado para as crianças e adolescentes, ou muito tradicional e folclórico. Trata-se de pessoas que não têm filhos, ou que estes já são adultos, ou que, por qualquer outro motivo, não sentem que o meio paroquial corresponda às suas necessidades.
    O Instituto configura-se, assim, como uma porta aberta para o diálogo com quem se encontra nas fronteiras da fé.

    Como viveu o ICVC este tempo de pandemia?

    Foi um grande desafio, mas ao mesmo tempo houve um conjunto de factores que consideramos providencial. Gostaria de destacar apenas duas coisas. A primeira é que, há vários anos que fazíamos a proposta dos cursos da Escola de Teologia através do Skype: a nossa ideia era que as paróquias criassem pequenos grupos, de quatro ou cinco pessoas, que se juntassem, nas quartas-feiras para participar numa aula via Skype. Os formandos já estavam sensibilizados para isso. Portanto, quando a pandemia começou, nós não interrompemos uma única sessão da Iniciação bíblico-teológica. Continuámos toda a programação em formato online, o grupo manteve-se durante todo o primeiro semestre e, no segundo semestre, até aumentou o número de participantes, porque era possível assistir a partir de casa. No entanto, a pandemia foi um obstáculo real para a Semana de Estudos Teológicos que acabou por ser adiada e, finalmente, online. O programa foi exatamente aquele que estava previsto caso fosse presencial, mas teve menos participação.
    Quanto à Livraria, foi possível reorientar e manter o serviço. Obviamente não era permitido ter a porta aberta; mas funcionámos ao postigo, num caráter informal, durante várias semanas: as pessoas telefonavam ou mandavam um e-mail e agendávamos uma hora para entrega. E assim continuamos a servir, mesmo durante o confinamento.

    Qual será o principal desafio no Pós-pandemia?

    Creio que é fundamental ajudar as pessoas a não desanimar e a retomar a vida cristã com entusiasmo. As paróquias estão a sentir que se instalou um certo cansaço misturado com comodismo. Alguns agentes pastorais desapareceram. Certamente todos estamos cansados do confinamento. Mas, agora, temos dificuldade em dar o passo, sair de casa e ir ao encontro dos outros. Habituámo-nos às pantufas, mas agora é preciso quebrar a inércia e sair do conforto do sofá.

    Pormenor da Biblioteca do ICVC

    Por fim, como serão comemorados os 30 anos?

    A principal comemoração será retomar progressivamente a nossa acção pastoral e formativa.
    Um dos acontecimentos mais bonitos dos últimos anos que iremos recomeçar já em 2022 são as peregrinações aos países bíblicos: Terra Santa, Grécia, Turquia e Itália. De facto, elas foram alguns dos acontecimentos mais belos dos últimos anos. Em primeiro lugar, porque não fazemos “excursões”, mas verdadeiras peregrinações. Isto acontece porque, tendo o cartão de Guia Oficial do Patriarcado Latino de Jerusalém e tendo estudado e vivido um semestre na Terra Santa, sou eu próprio a guiar a peregrinação e fazer a apresentação dos locais. O percurso bíblico que fazemos é cronológico e espiritual. Não seguimos a ordem de visitas e locais de estilo comercial das agências turísticas. Curiosamente, nos últimos anos, uma agência cristã de Belém partilhou o nosso itinerário que está agora a ser imitado por outros grupos. Temos tido procura de pessoas de várias Dioceses, até porque fazemos a organização em conjunto com a Basílica dos Congregados de Braga.
    Queremos celebrar liturgicamente, com uma eucaristia presidida pelo Bispo Diocesano, os 30 anos do Instituto e, nessa altura, inaugurar uma exposição permanente que está a ser preparada pelo Padre Christopher. Pretendemos ainda fazer uma edição alargada da Semana de Estudos Teológicos envolvendo e convidando em parceria mais algumas instituições culturais e eclesiais do que o habitual, e um ciclo de conferências que chamaremos “conversas sobre a transcendência”.
    Mas, acima de tudo, queremos continuar a servir a formação da fé e a beleza da vida cristã. Essa é a nossa missão e razão de ser.

    Por Micaela Barbosa (Notícias de Viana, 16.09.2021, pp. 4-5)

    Categories: Teologia

    ICVC

    ICVC

    A instituição cultural, Instituto Católico de Viana do Castelo, apresenta notícias temáticas.